Docentes universitários de todo o país escolhem, de 3 a 6 de novembro, a nova diretoria do ANDES-SN (biênio 2020-2022). A votação vai ocorrer de 9 às 21 horas e, por conta da pandemia de Covid-19, será telepresencial por meio de salas virtuais que serão criadas para receber o voto dos professores.

Na UFPA, mais de 1300 docentes estão aptos a votar. Podem participar da votação, os professores que se sindicalizaram até 3 de agosto deste ano. Para votar, os docentes precisarão acessar a página das eleições do ANDES-SN, cujo link será amplamente divulgado pela ADUFPA.

O acesso será via CPF e o sindicalizado será direcionado para uma sala virtual, que terá a presença de dois mesários e um fiscal de cada chapa. Ao acessar a sala, o docente irá se identificar através da câmera e microfone do celular, notebook ou computador e apresentar um documento de identificação oficial com foto. O mesário irá confirmar os dados e o email ou o número do celular do professor, para onde será encaminhado um link para votação.

Após o envio do link, o docente terá 10 minutos para acessar o sistema de votação e registrar seu voto. Ao concluir o processo, será enviado um comprovante de votação. Caso tenha alguma dificuldade para registrar o voto nesse período de 10 minutos, o sindicalizado poderá acessar novamente a mesa virtual e solicitar um novo link. Isso pode ser feito no mesmo dia, ou em outro, desde que durante os dias de eleição.

Ao votar, o professor terá seu CPF, email ou número de celular bloqueado, para que não possa acessar novamente as mesas virtuais de votação, garantindo, assim, a lisura do processo eleitoral.

Os votos serão computados no dia 6 de novembro, a partir das 22 horas. O resultado preliminar será divulgado assim que a apuração for concluída e as chapas poderão apresentar recursos até 24 horas após a divulgação do resultado. O resultado final será divulgado no dia 10 de novembro e a posse da nova diretoria ocorrerá em dezembro no 10º CONAD extraordinário, em data ainda a ser definida.

A eleição para a nova diretoria do ANDES-SN ocorreria em maio deste ano, mas por conta da pandemia de Covid-19, foi suspensa e, após discussões e análises durante o 9º CONAD extraordinário realizado em setembro, foi convocada para 3 a 6 de novembro de forma telepresencial.

Segundo a presidente da Comissão Eleitoral Central (CEC), Raquel Dias, a expectativa é que os docentes tenham uma grande participação na eleição e fortaleçam o ANDES-SN como legítimo representante dos professores das Instituições de Ensino Superior. "Esperamos uma grande participação para que a gente saia desse processo eleitoral com um sindicato cada vez mais fortalecido, para continuar na luta em defesa da Educação pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada, para fazer a defesa do ensino presencial como a única modalidade de educação. Queremos ser uma entidade representativa de toda a categoria e de toda a classe trabalhadora, independente da chapa que venha a ganhar o pleito", afirma Raquel.

Disputa – Este ano, duas chapas estão na disputa. A Chapa 1 – Unidade pra Lutar é encabeçada pela professora Rivânia Moura, da UERN, e conta com a presença da docente da UFPA Jennifer Santos na diretoria nacional. Para a Regional Norte II, concorrem as professoras da UFPA Joselene Mota e Andrea Matos.

A Chapa 2 – Renova Andes tem à frente a docente Celi Taffarel, da UFBA, e conta com a participação do professor da UFPA Pere Petit na diretoria nacional. Na Regional Norte II, estão concorrendo as docentes da UFPA Eunice Léa de Moraes e Zuleide Ximenes.

 

Este 15 de outubro foi diferente. Não teve a vida pulsante das salas de aulas, dos corredores da universidade e dos laboratórios de pesquisa. Não teve o calor dos estudantes e nem a troca cotidiana com nossos colegas de trabalho. Não teve também alguns abraços, que ficarão apenas no imaginário e nas boas lembranças.

Mas as perdas e até as lágrimas derramadas, neste difícil ano de 2020, nos mostram a importância das vidas e o orgulho que temos em sermos docentes e ressignificarmos a vida de muitos e muitas.

Por isso, neste Dia do Professor e da Professora, queremos celebrar a vida e comemorar esta data com um festejo especial. Não como antes, pois infelizmente, a pandemia de Covid-19 ainda nos impede.

Mas a data não passará em branco e a Festa do Professor da ADUFPA deste ano será virtual, com uma Live especial com Gigi Furtado, Ronaldo Silva e Allan Carvalho neste domingo, 18 de outubro, a partir das 13 horas, no Facebook e no Canal do Youtube da entidade.

Além da animação musical, a Live contará com sorteio de diversos brindes. Para concorrer aos prêmios, os docentes da UFPA filiados à ADUFPA precisam se cadastrar no link abaixo:

https://forms.gle/iecox3GRAkJLsJbY7

Então, fiquem ligados e ligadas, e vamos celebrar a vida e nossa disposição em transformar o luto em lutas em defesa da valorização do trabalho docente e da Universidade pública e gratuita.

 
 

Integrantes da comunidade universitária protestaram na manhã de hoje, 13, no hall da reitoria da UFPA, para exigir a nomeação imediata do reitor reeleito, Emmanuel Tourinho. A manifestação integrou a agenda de mobilizações promovida pela ADUFPA, Sindtifes e DCE contra as ameaças de intervenção de Bolsonaro na UFPA.

Nesta quinta-feira, dia 15, às 9 horas, no hall da reitoria, as três entidades promovem uma Plenária Unificada de professores, estudantes e técnico-administrativos para discutir os próximos encaminhamentos da luta em defesa da democracia e da autonomia na UFPA. O objetivo é intensificar a agenda de mobilização até que o Ministério da Educação (MEC) nomeie o professor Emmanuel Tourinho como reitor da UFPA.

Para a diretoria da ADUFPA, é preciso aumentar a pressão para garantir que a vontade da comunidade universitária expressa nas urnas seja respeitada. “É o momento de pressionarmos o governo, a bancada federal paraense e a Justiça. Já tivemos decisões importantes, como os votos do relator e de dois ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), na ação que pede que o governo federal nomeie reitores que integrem a lista tríplice, de preferência o mais votado. Isso é uma sinalização que podemos ser vitoriosos em nossa luta em defesa da democracia e da autonomia universitária, mas precisamos intensificar nossa mobilização”, afirma o diretor-geral da ADUFPA, Gilberto Marques.

Desde o último domingo, a UFPA está sob o comando do decano do Conselho Superior Universitário (Consun), professor Tadeu Oliver, nomeado reitor interino pelos conselheiros após o fim do mandato do vice-reitor Gilmar Silva, no dia 10 de outubro. Gilmar havia assumido temporariamente a reitoria da UFPA em 22 de setembro, quando a gestão de Emmanuel Tourinho encerrou sem que o MEC nomeasse o novo reitor.

Emmanuel Tourinho e Gilmar Silva foram reeleitos reitor e vice-reitor da UFPA, respectivamente, no dia 30 de junho, com 92,7% dos votos. No dia 14 de julho, o Consun reuniu e referendou o resultado da consulta à comunidade, encaminhando ao MEC uma lista tríplice encabeçada por Emmanuel e Gilmar. Porém, até hoje, o governo não os nomeou e tem feito manobras para impedir a posse e justificar a nomeação de um interventor na UFPA.

 
 
 

O professor Emmanuel Tourinho foi reconduzido ao cargo de reitor da UFPA. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União de hoje, 14, depois de quase um mês de espera e mobilizações da comunidade universitária em defesa da democracia e da autonomia na UFPA.

Emmanuel foi eleito reitor no dia 30 de junho, com 92,7% dos votos de professores, estudantes e servidores técnico-administrativos, e encabeçou a lista tríplice elaborada pelo Conselho Superior Universitário (Consun) da UFPA e encaminhada ao Ministério da Educação (MEC) ainda no mês de julho.

Mas desde o dia 22 de setembro, quando encerrou seu mandato anterior, Emmanuel Tourinho aguardava nomeação. Nesse período, o governo federal fez diversas manobras para retardar posse do reitor e justificar uma intervenção na UFPA. A lista tríplice chegou a ser devolvida ao Consun, sob a alegação de que a mesma desrespeitava a legislação vigente. Mas, após parecer da Procuradoria, os conselheiros reafirmaram a composição da lista.

Em conjunto com Sindtifes e DCE, a ADUFPA esteve na linha de frente da defesa da democracia e da autonomia na UFPA, reivindicando a nomeação imediata de Emmanuel Tourinho. Atos públicos foram realizados na Universidade, parlamentares da bancada federal foram pressionados, ações na Justiça foram impetradas, outdoors afixados na cidade e uma carreata chegou a ocupar as ruas de Belém, exigindo que o reitor eleito fosse empossado.

Para a diretoria da ADUFPA, a nomeação de Emmanuel Tourinho é uma vitória da democracia e da comunidade universitária, que esteve mobilizada no último período para fazer valer a vontade manifestada nas urnas. “Em um período de ameaças às liberdades democráticas, tivemos uma imensa vitória com a nomeação do reitor eleito por professores, estudantes e técnico-administrativo da UFPA. Mas a luta pela autonomia universitária continua, contra os desmandos e ataques do governo Bolsonaro à Universidade pública”, garantiu o diretor-geral da ADUFPA, Gilberto Marques.

As ruas de Belém foram ocupadas na manhã desta quinta, 8, pela Carreata da Democracia, para denunciar as ameaças de intervenção do governo Bolsonaro na UFPA e exigir a nomeação imediata do reitor eleito, professor Emmanuel Tourinho.

Sob forte sol, professores, estudantes e servidores técnico-administrativos saíram do campus da UFPA, no bairro no Guamá, percorrendo as avenidas Bernardo Sayão, José Bonifácio, José Malcher, Doca de Souza Franco, Castilhos França e Presidente Vargas até a Praça da República, onde a manifestação encerrou.

Ao longo do percurso, a diretoria da ADUFPA destacou a importância da UFPA se manter enquanto espaço democrático e denunciou os ataques de Bolsonaro à autonomia universitária. "A democracia e a autonomia universitária são garantias de que a UFPA vai continuar desenvolvendo pesquisas e serviços em benefício dos povos da Amazônia", afirmou a diretora-adjunta da ADUFPA, Edivania Alves.

As mobilizações da comunidade universitária em defesa da nomeação de Emmanuel Tourinho como reitor continuam. Na terça-feira, 13, as três categorias promovem um novo ato público em defesa da democracia e da autonomia universitária. Desta vez, será a partir das 8 horas, no hall da reitoria. Todos e todas estão convocados e convocadas para fortalecerem a luta pela democracia e autonomia na UFPA.